Ouça agora na Rádio

N Notícia

Saiba como os recursos federais impulsionam a pesquisa científica no País

FOTO: © Divulgação/Wikimedia Commons

Saiba como os recursos federais impulsionam a pesquisa científica no País

O Dia Nacional da Ciência, celebrado neste sábado (8), foi estabelecido para incentivar a atividade

Neste sábado (8) é comemorado o Dia Nacional da Ciência. Para incentivar a produção científica do País, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações executa a Política Nacional de Ciência e Tecnologia, que reúne e fortalece ações em diversas áreas.

A iniciativa mais recente que recebeu investimentos na área foi o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), primeiro construído pelo Brasil com fins civis e militares. O equipamento vai garantir a ampliação do Plano Nacional de Banda Larga e assegurar conexão à internet a mais de sete mil equipamentos em áreas isoladas.

Outro programa de fomento é o Andar de Novo, encabeçado pelo pesquisador Miguel Nicolelis, que trabalha na construção de um exoesqueleto que auxilia pessoas com mobilidade reduzida a voltarem a andar.

Pesquisas de combate ao zika vírus também receberam incentivos federais. Com o financiamento, a FioCruz elaborou o teste rápido que diagnostica simultaneamente o zika, dengue e chikungunya. O resultado fica pronto em até quatro horas.

Fontes de financiamento

A principal fonte de financiamento de pesquisa no País são as agências de fomento vinculadas aos ministérios da Ciência e Tecnologia e também da Educação. Por isso, recebem os recursos federais para distribuí-los entre os institutos de pesquisa e pesquisadores. É o caso da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Um dos eixos de investimento é promover o desenvolvimento econômico pela ciência. Os recursos distribuídos por meio de editais são captados via Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e também pelo ministério. O financiamento é voltado sobretudo para pesquisas de institutos e universidades.

No caso do CNPq, estudantes desde o ensino médio à pós-graduação podem concorrer a bolsas de incentivo à pesquisa em diversas modalidades. Há recursos para iniciação científica, mestrados e doutorados para pesquisas também no exterior.

Entre os anos 2000 e 2014, os investimentos no setor multiplicaram-se em quase cinco vezes e passaram de R$ 15,8 milhões para R$ 96,5 milhões.

FONTE: Portal Brasil, com informações do MCTI
Link Notícia